Quem sou eu

Minha foto
Artista visual, arteira desde sempre. Amo moda, fotografia, desenho, teatro, dança. E mais tantas outras coisas, mas...Acima de tudo, amo a liberdade de ser eu mesma!!!!!

Oi, meu nome é Daniela Karg, bem vindos ao meu blog!

Reunindo minhas linguagens, que transitam pela moda, maquiagem, teatro, fotografia, dança e artes visuais, criei a Alma de Boneca!

Confecciono bonecas, acessórios e fantasias exclusivas, combinando minhas técnicas e elementos vindos de histórias (contadas por quem as encomenda e minha imaginação).

Conheça meu trabalho e fique à vontade, entre contos, sonhos e poesias que costuro em minha ALMA!

APRECIADORES

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Théatre du Soleil- espetáculo Os Náufragos da Louca Esperança (Auroras)

Nem preciso falar da minha emoção ao conhecer de perto o trabalho do Théatre du Soleil, tantas vezes descrito pelo meu irmão, ao assistir em DVD o espetáculo Tambores sobre o dique:
Transformando teatro em cinema, o espetáculo surpreende pela incansável dedicação dos atores em cena, que montam inúmeros cenários, simulando gravações com o "cinematógrafo", novidade em 1914. Fazer nevar, ventar, trovejar, provocar incêndio e naufragar navios são algumas das proezas que o grupo habilmente realiza, diante dos nossos olhos encantados com tanta beleza e a simplicidade de técnicas que conquistam!
Particularmente, lamento o cansaço que em certo momento toma conta do público, mas que faz parte do próprio espetáculo, com os atores já cansados em sua árdua tarefa de fazer Cinema e Arte! Se não fosse pelo longo tempo de apresentação, tenho certeza absoluta, que uma parceria com o público infanto juvenil seria maravilhoso, para despertar sonhos e projetos da gurizada!
  
Algumas imagens que registrei!


Imagens de divulgação da imprensa.
Juliana Carneiro da Cunha, atriz brasileira, que integra a trupe e rouba cenas com sua belíssima atuação! 


Trechos da reportagem extraída do site:  http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/cultura-e-lazer/segundo-caderno/noticia/2011/12/novo-espetaculo-do-theatre-du-soleil-marca-o-encerramento-do-18-porto-alegre-em-cena-3584958.html
Se alguém decidir visitar esta semana a Cartoucherie, a célebre sede do Théâtre du Soleil no subúrbio de Paris, vai encontrar um grande vazio. É que parte significativa da estrutura está temporariamente instalada no Parque Esportivo Eduardo Gomes, em Canoas, onde a companhia francesa, uma das mais importantes do mundo, apresenta o espetáculo Os Náufragos da Louca Esperança (Auroras) de terça a domingo, às 20h.

O grupo desembarca pela segunda vez no Estado, em uma realização da prefeitura de Canoas em parceria com o 18º Porto Alegre Em Cena, marcando o encerramento do festival, que ocorreu em setembro. Em 2007, Les Éphémères (espetáculo com seis horas e meia de duração e um intervalo de uma hora) passou pela Capital, em uma estrutura semelhante montada no bairro Humaitá, também na programação do Em Cena.

Criado em 1964, o Théâtre du Soleil e sua diretora, Ariane Mnouchkine, foram responsáveis por renovar a linguagem teatral em um momento de transformações nos palcos do mundo, explorando novas formas de se relacionar com o espaço cênico e com o público. Nada desta mágica se perdeu.

Estreado em fevereiro de 2010, em Paris, Os Náufragos da Louca Esperança (Auroras) se passa em 1914, antes da Primeira Guerra Mundial, quando frequentadores de um cabaré decidem fazer um filme (mudo, é claro) inspirado em um romance póstumo de Júlio Verne. Uma embarcação vai parar na Patagônia, onde os náufragos decidem criar uma comunidade baseada em princípios de igualdade. O que não deixa de ser um reflexo do próprio Théâtre du Soleil, em que todos (inclusive a diretora) dividem tarefas e recebem o mesmo salário.

– Toda trupe trabalha desta forma. Se não, não é uma trupe. Me deixa triste pensar que somos tão especiais. Preferiria que existissem mais trupes assim – disse Mnouchkine à imprensa em Porto Alegre, na sexta-feira, ao lado da atriz brasileira Juliana Carneiro da Cunha, há 21 anos na companhia.
Sobre o poder do teatro, a diretora afirmou:

— O teatro não é global. Há uma relação quase mágica entre os atores e cada pessoa do público. Se algumas destas pessoas recebem o alimento da alma, da imaginação, então sim, isso muda o mundo.

As 3h45min de espetáculo (com intervalo de 15 minutos) terão narração e legendas em português. A música é de Jean-Jacques Lemêtre... e o público poderá circular pelos camarins — são 45 atores de uma equipe com 70 pessoas de 30 nacionalidades.

Abraços, até o próximo post "tourner la manivelle"!

Nenhum comentário:

Postar um comentário